Voltar ao topo.Ver em Libras.

Facisc debate Bloco K com entidades contábeis de SC

« Mais recente🔀🛈Categoria:Artigos
ImprimirReportar erroTags:da, presidente, k, bloco, empresas, sescon, as e é456 palavras6 min. para ler
Com a participação do vice-presidente da Facisc, André Gaidzinski, e do advogado tributarista da entidade, Lucas de Assis, ocorreu na tarde da última quinta-feira (23) uma reunião sobre o Bloco K, na sede do CRC/SC, com a presença de lideranças contábeis de todo o Estado.
O encontro foi solicitado pelo diretor da Regional Curitibanos do Sescon Santa Catarina,Jandival Ross, que sentiu a necessidade de aprofundar o debate ao ler o resultado de pesquisas feitas junto a grande empresas.
"Boa parte delas ainda tinha dúvidas em relação a implementação do Bloco K”, disse.
"Imagina como está a situação entre as pequenas empresas, tributadas pelo sistema de Lucro Presumido?", questionou.
Somente estão excluídas do Bloco K empresas enquadradas no Simples Nacional.
Antes da abertura dos debates, o presidente do CRCSC, Adilson Cordeiro, fez uma breve apresentação sobre o Bloco K (digitalização do livro de controle da produção e estoque, por meio do qual organizações industriais e atacadistas deverão apresentar seus estoques e sua produção no SPED Fiscal).
O vice-presidente da Facisc observou que as empresas e a classe contábil precisam trabalhar em parceria.
"São os contadores que têm condições de apontar os problemas que hoje dificultam a implementação do Bloco K”, disse.
Ele se dispôs a levar esse assunto ao conhecimento da bancada catarinense no Congresso Nacional.
Para o presidente da Fecontesc, Tadeu Oneda, um dos problemas é o alto custo dos sistemas oferecidos.
Já o presidente licenciado do Sescon Blumenau, Jefferson Pitz, ressaltou que a nova obrigação exige que as empresas qualifiquem melhor o pessoal da área de controle e invistam mais em tecnologia. "É uma mudança muito grande de cultura”.
O presidente do Sescon Grande Florianópolis, Fernando Baldissera, observou que o Bloco K precisa ser discutido pelas empresas, pois a informação terá que ser gerada e tratada por elas e não mais nos escritórios de contabilidade.
Ao final, ficou acertado que a Facisc encabeçará um movimento – tendo como base informações repassadas pelas entidades contábeis – visando encontrar a melhor forma de implantar o Bloco K. Entre as opções, está a prorrogação do prazo de início da vigência, hoje previsto para janeiro de 2016, ou  a definição de um piso para o enquadramento das empresas afetadas, a exemplo do que é feito no e-Social.
Para o presidente do Sescon SC, Eugênio Vicenzi, esta é uma ótima decisão pois o Bloco K afeta mais a classe empresarial do que a contábil, sendo um assunto bastante complexo.
Também participaram do encontro o presidente do Sescon Blumenau, Nelson Mohr, e o diretor da entidade, Maurício Tobias, bem como o vice-presidente do CRC/SC,Marcello Seemann, e o diretor financeiro, Renato Calda.

Fonte:/Legisweb